Propõe-se a implementação de uma edificação compacta, de uso misto, em relação direta com o contexto histórico e as orientações do Corredor Cultural. A proposta favorece a recuperação do conjunto de sobrados no terreno e ainda respeita os limites de altura e de relação com o entorno. Além disso, são implementados dispositivos de relação direta com o contexto urbano, como as fachadas ativas através de comércio, serviços e equipamentos de bairro no térreo e contando com 313 unidades habitacionais nos pavimentos superiores.

Estas apresentam diversidade tipológica com unidades de pequenas dimensões, de 30 a 50m², com janelas, balcões, jardins e terraços, que passam a criar uma relação de permeabilidade visual através de novos olhares voltados para a rua. Cria-se também um pátio interior permitindo a ventilação e iluminação de qualidade a todas as unidades. A fruição pública e a permeabilidade física são atingidas através da abertura da esquina para a implantação de uma praça de uso público em relação direta com a escadaria Selarón.

O projeto não se encerra nos limites do terreno, propondo que a rua Teotônio Regadas seja nivelada com a calçada e convertida em via pedonal para a priorização do fluxo de pedestres. Com isso cria-se um eixo até a escadaria com passagem em nível pela Joaquim Silva. Tais diretrizes pretendem favorecer o surgimento de redes sociais e comunitárias no bairro e servir como potencial ativador de gentilezas urbanas para o entorno, através da estrutura espacial do empreendimento, qualidade arquitetônica e sessão de espaços coletivos.

Em uma sociedade em constante transformação, devemos pensar novos dispositivos de moradia e de cidade que ofereçam alternativas as já conhecidas estratégias convencionais voltadas para a família. As respostas deverão ser capazes de adequar-se a inúmeros fatores que conformam uma realidade complexa para o exercício das atividades cotidianas, com foco nas necessidades das pessoas que utilizam as cidades.